Nesta edição mostra o teu Rosto Solidário

 Na 8ª edição Isvouga Marketing Sessions vamos demonstrar a nossa solidariedade. Basta que cada participante na conferência colabore com 1 euro que reverte para a organização não governamental, sediada em Santa Maria da Feira, ROSTO SOLIDÁRIO. Esta associação tem como missão contribuir para o desenvolvimento social e humano e tem definidas três áreas de intervenção: cooperação para o desenvolvimento; apoio à família e educação para o desenvolvimento, promovendo a consciência crítica e a cidadania ativa através de campanhas e projetos em países lusófonos.

banner-8-mkt-session corte

Anúncios

Clipping: O filho da Pub

Gonçalo Morais Leitão – autor e apresentador do programa Filho da Pub

O ciclo de conferências ISVOUGA MARKETING SESSIONS na imprensa:

Jornal Praça Pública – Ovar

O ciclo de conferências ISVOUGA MARKETING SESSIONS é uma iniciativa da da
coordenação da Licenciatura em Marketing, Publicidade e Relações Públicas e do
MKT:LAB que, desde outubro de 2011, contou com mais de 800 participações de
alunos, ex-alunos e comunidade empresarial da região em sete edições.

Clippings de edições anteriores (imprensa, sites, blogues):

  • Paulo Ferreira, Pedro Aguiar (Marketing 3.0)

Primeira edição do Isvouga Marketing Sessions

  • Duarte Magalhães, Joaquim Pereira (City Marketing)

Marketing das Cidades no Isvouga, Labor

Prossegue o Isvouga Marketing Sessions – Queira Mais

  • Ana Corte Real, Nuno Moura (Marketing Infantil)

Comprar com crianças por perto nem sempre é fácil, Terras da Feira

Os desafios de comunicar com crianças – Jornal Regional

Marketing Infantil, por Ana Borgas

  • Miguel Gonçalves (Admirável Mercado Novo)

Admirável Mercado Novo com Miguel Gonçalves (fev 2012) SEMANÁRIO LABOR – S. João da Madeira

Miguel Gonçalves enche auditório do Isvouga

  • Vasco Marques, Helder Falcão (Social Media Marketing)

Social Media Marketing com Vasco Marques e Helder Falcão no Jornal O Regional – S. João da Madeira (2012)

  • Carlos Coelho (O futuro das Marcas)

Criador de marcas protagoniza sessão de marketing – Diário de Aveiro

“ISVOUGA Marketing Sessions” coloca o futuro das marcas sob o microscópio” – Diário de Aveiro

Sexta edição vai ser enriquecida com experiência de Carlos Coelho – Praça Pública

LABOR

Roda Viva – Arouca

Retrospetiva primeiras seis edições – vídeo de Rui Silva e Ana Borgas, alunos da Licenciatura em Marketing, Publicidade e Relações Públicas

Recordar o futuro das Marcas, por Maria Pintado

Isvouga Marketing Sessions: o regresso, por Sabrina Marques  

Blogue http://marketingsessions.isvouga.pt/
Email: marketing.sessions@est.isvouga.pt

Vem aí O Filho da PUB

Gonçalo Morais Leitão em Santa Maria da Feira

No programa O Filho da Pub, exibido pela Sic Radical, procurou pequenas e médias empresas a necessitar de intervenção e fez mudanças no modo de comunicação destes negócios. Quase a lançar a segunda série de programas, o antigo estudante de Direito, ex-publicitário premiado, Gonçalo Morais Leitão, vem a Santa Maria da Feira, para a 8ª edição Marketing Sessions, a 6 de dezembro, 19h.

Fez um pouco de tudo antes de se tornar diretor criativo da BBDO, depois da Strat e da Cupido, onde foi fundador. Estafeta, porteiro, chofer, animador de bares ou homem sanduiche são algumas da atividades que desenvolveu antes de se tornar copy na SIC, no departamento de autopromoções, o primeiro contato com o mundo da televisão. Ao longo do seu percurso foi responsável por campanhas do Jumbo, Continente, TMN, PT, Volvo, Pepsi, Superbock, Galp, – quem não se lembra das vuvuzelas -, ou BES. Vencedor do Grande Prémio RTC, o do Clube de Criativos, Grande Prémio Eficácia em 2005 e 2008.

O ciclo de conferências ISVOUGA MARKETING SESSIONS é uma iniciativa da Licenciatura em Marketing, Publicidade e Relações Públicas e do MKT:LAB que, desde outubro de 2011, contou com mais de 800 participações de alunos, ex-alunos e comunidade empresarial da região em sete edições.

Inscrições obrigatórias em: ISVOUGA MARKETING SESSIONS eventbrite

Isvouga Marketing Sessions: o regresso

Crescimento de Negócios

Paulo de Vilhena desvenda os segredos para o Crescimento de Negócios, no Isvouga [Foto: Ramon Simarro]

Por Sabrina Marques*

A última sessão do ciclo de conferências Isvouga Marketing Sessions contou com a presença de Paulo de Vilhena. Com um vasto currículo e experiência na banca, este especialista em vendas foi, entre outras atividades, diretor da ActionCoach.

Paulo de Vilhena veio ao ISVOUGA falar da atualidade do mercado e de como as empresas vivem obcecadas com as vendas. Os empresários esquecem-se do essencial, que é o lucro, e confundem o crescimento da sua empresa com o crescimento de vendas. Se a ideia principal não é lucro, o que se está a deixar crescer é um “cancro”, como refere o próprio Paulo de Vilhena. Para assegurar o crescimento do lucro, o especialista em vendas define duas ideias essenciais: «a primeira é que o lucro não é tudo, o lucro é a única coisa; a segunda é que se deve viver e morrer por um plano de negócios, porque poucos que o têm não olham para ele». A empresa deve estar afinada nos seus pressupostos básicos para assim assegurar que as vendas se transformam em lucros e estes se transformem em cash flow, pois, só a movimentação do dinheiro vai criar valor.

Muitas são as empresas que são criadas com o princípio de base de que o principal objetivo é aumentar e crescer o volume de vendas, estas, vão mais tarde estagnar, na chamada fase da adolescência, muitas vezes acabando por morrer. Se crescem, só acontece quando a economia está em crescimento e a empresa vai e sobe com a maré, quando chega a crise não resistem e acabam por morrer, é nestas alturas que se vê quem não preparou uns bons alicerces, quem “estava a nadar nu”.

Paulo de Vilhena acredita que “execução consistente”, é a melhor vantagem competitiva que uma empresa pode ter, isto é, “fazer aquilo que precisa de ser feito, na quantidade que precisa de ser feita”.

Muitas são as pessoas que querem enriquecer do dia para a noite, querem ir da linha “do que é”, que é a nossa situação real e os desafios que temos de ultrapassar para chegar, à linha de “o que tem de ser”, onde está a ambição. O orador revelou ainda, na conferência, que houve uma pessoa que já lhe pediu ajuda para enriquecer. “Sim, vai demorar cerca de 7 a 10 anos”, foi a resposta de Paulo de Vilhena, algo que seria “demasiado tempo”, no entender dessa pessoa. O orador explica que, na verdade, esses anos passarão à mesma, faça a pessoa algo ou não para alterar a sua condição financeira.

Paulo de Vilhena diz que é importante transformarmo-nos em milionários, não pelo dinheiro, mas pela pessoa que nos tornamos no processo realizado para chegar a esse objetivo. O mais difícil é chegar ao primeiro milhão, a partir daí, a pessoa que aí chegou já sabe a receita para voltá-lo a fazer.

É tudo uma questão de comportamento, “nós só aprendemos alguma coisa, verdadeiramente, quando o nosso comportamento muda”, é a prova de que o aprendemos bem.

“Não se pode fazer nada sobre aquilo que acontece, mas pode-se fazer tudo sobre a forma que se responde àquilo que acontece”, é isto que vai determinar o nosso futuro, é a nossa maneira de pensar, e é também isto que nos distingue dos animais, a nossa capacidade de processar ideias e de tomar decisões, porque “os patos, no inverno, vão para Sul, mesmo que lá esteja o FMI”, não fogem, não são capazes de fazer escolhas. Entre os Homens, é a nossa tomada de decisões, de boas escolhas, que vai distinguir os que têm mais sucesso dos que não têm tanto sucesso.

Paulo de Vilhena diz que se pudesse ensinar um só princípio de sucesso, seria o Princípio da Responsabilidade. Ele concorda com o facto de existir uma linha, a chamada Linha da Vida, e que nós nascemos e aprendemos a viver abaixo dela, porque estamos habituados a usar desculpas para tudo o que nos acontece de menos bom, arranjar culpados e a vivermos em constante negação, o que faz de nós vitimas, mas existe uma forma de nos recondicionarmos na vida, que é mudarmo-nos para o lado de cima da linha, isto é, tornarmo-nos responsáveis pelas nossas decisões, viver em propriedade, pensando que tudo o que fazemos é para o nosso próprio futuro e a prestação de contas, tudo isto vai tornar-nos vencedores.

* aluna 3º ano da Licenciatura em Marketing, Publicidade e Relações Públicas, Isvouga, Instituto Superior de Entre Douro e Vouga (resumo da 7ª edição ISVOUGA Marketing Sessions, com Paulo de Vilhena, sob o tema «Crescimento de Negócios»)

Teaser Isvouga Mkt Sessions

Teaser criado pelas alunas Salomé Oliveira, Cristiane Natividade e Diana Neves para o regresso das Isvouga Mkt Sessions

Recordar “O Futuro das Marcas”

Maria Pintado, aluna do 3.º ano da licenciatura de Marketing, Publicidade e Relações Públicas, a fazer Erasmus na Polónia, em Nowy Sacz, enviou-nos hoje um resumo da última ISVOUGA MARKETING SESSION, realizada em Maio, com Carlos Coelho.
Aqui fica o contributo vindo diretamente da universidade National-Louis University – Wyższa Szkoła Biznesu.
6º edição ISVOUGA MARKETING SESSIONS, MAIO 2012
Carlos Coelho, especialista na criação de marcas, foi o orador da 6ª edição ISVOUGA MKT SESSIONS

Na 6.ª edição do ciclo de conferências Isvouga Marketing Sessions com o tema “O Futuro das Marcas” tivemos a presença de Carlos Coelho, especialista na criação de marcas e presidente da Ivity Brand Corp.

Para começar, o futuro da marca passa por aquilo que entendemos que é uma marca. É obrigatório delimitar “território”, deixar o nosso cunho no mercado, pois por incrível que nos pareça as marcas começaram em território sem marcas. Trabalha-se ao máximo para atingir aquilo que se quer. Quanto aos imprevistos que o futuro pode trazer a uma marca é preciso que as nossas convicções sejam mais fortes perante os mesmos: saber dar a volta.

Atualmente, devido à grande concorrência e ao número infinito de marcas no mercado é necessário diferenciar, não é criar aquilo que o “vizinho também tem”.

Um acrônimo que traduz muito bem aquilo que é o futuro é: FUD – Future Uncertain Undoubt (Indubitavelmente Futuro Incerto). Na verdade, serve para explicar também que, no tempo dos nossos avós, o casamento, o carro, os móveis eram para a vida, «Dura uma vida inteira…» e hoje, sabemos que não é bem assim. Vejamos o exemplo da Ikea, “Viva mais a sua casa”, podemos mudar sempre que quisermos, logo, segundo o orador, as coisas não são mais para vida. “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades;” (Luís Vaz de Camões, in “Sonetos”). Não é novidade para ninguém que, o mundo está a mudar o modo como as coisas eram, assim sendo fazer compras e até mesmo o consumidor final estão em constante mudança. O que ontem era, hoje já não é. O cliente tornou-se exigente. Através de um clique tem toda a informação que necessita para a sua escolha final.

A marca tem de ter uma história sedutora que nunca acaba e que mantem o cliente cativo (Never Ending Seduction) tal como no livro d’ As Mil e Uma Noites, um clássico da literatura mundial. O rei Xariar, louco por ter sido traído pela sua primeira esposa, desposa uma noiva diferente todas as noites, mandando-as matar na manhã seguinte. Xerazade consegue escapar a esse destino contando histórias maravilhosas sobre diversos temas que captam a curiosidade do rei. Ao amanhecer, Xerazade interrompe cada conto para continuá-lo na noite seguinte, o que a mantém viva ao longo de várias noites – as mil e uma do título – ao fim das quais o rei já se arrependeu do seu comportamento e desistiu de executá-la. (Fonte Wikipedia)

“Or just a small touch” quando menos o cliente espera, surpreender e fazer algo que o toca. A embalagem também tem um peso importante na decisão do cliente, é indispensável embalar melhor.

As marcas são como o amor, Brand Love (a relação das pessoas com a marca) e passam por cinco fases:

  1. Atenção – ouvir falar sobre a marca;
  2. Desejo – intenção de experimentar/comprar;
  3. Flirt – experimentar/comprar pelo menos uma vez;
  4. Comprometido – às vezes sim, às vezes não;
  5. Amor – ama comprar sempre.

As pessoas namoram montras e nelas namoram os produtos.

Quanto ao panorama português, os portugueses estão em toda a parte do mundo. A nossa história é muito importante, os Descobrimentos fizeram de nós o que somos hoje. Somos criativos, não nos podemos esquecer disso, por exemplo: os “peixinhos da horta” (vagens panadas) são de uma grande originalidade. É preciso ter orgulho no que é nosso, no nosso país. Não deixar de acreditar, é preciso sonhar. A crise não é desculpa. Como diz o velho ditado: “Enquanto uns choram outros vendem lenços”. “Crisis is a mind opener”. Assim, torna-se essencial adaptar preços em questões económicas devido à crise mundial económica.

O manifesto anti-marca não existe. As marcas são necessárias para o mundo.

Conclusão, as marcas têm que ser funcionais e simples.

Aconselho a ver o filme “Branded” (Jamie Bradshaw, Aleksandr Dulerayn, 2012) que traz uma temática interessante ao mundo das marcas e se, de repente fossemos controlados pelas marcas que conhecemos e não só.

Let’s look at the TRAILER.

 

Por Maria Pintado

Carlos Coelho, especialista em criação de marcas é o orador da 6ª edição ISVOUGA MARKETING SESSIONS com o tema “O Futuro das Marcas” que decorre a 18 de Maio.

Com o mundo em ritmo acelerado de mudança, qual será o futuro das marcas? Como comunicar numa era em que as marcas têm dificuldade em controlar a mensagem? O que mudou no consumidor? Como ouvir, envolver e partilhar numa era que todos podem ter uma palavra a dizer?

Estas são algumas das questões para discutir a 18 de Maio pelas 19h, na 6ª edição ISVOUGA MARKETING SESSIONS por Carlos Coelho, conceituado especialista em criação e gestão de marcas.

Neste dia será também apresentado o ISVOUGA Marketing Lab, um espaço experimental que terá por principal objectivo a ligação entre os alunos da Licenciatura em Marketing, Publicidade e Relações Públicas e as empresas.

Como nas edições anteriores a entrada é livre, mas as inscrições são obrigatórias e unicamente através de: http://marketingsessions.eventbrite.com.